sexta-feira, 10 de março de 2006

Gripe das Aves

Leiam esta notícia divulgada pelo Público hoje. Sem comentários!

Cem mil portugueses considerados "fundamentais para o país", devido aos cargos que ocupam, vão receber antivirais em caso de pandemia provocada pelo vírus da gripe das aves, anunciou hoje a sub-directora-geral da Saúde, Graça Freitas.

A responsável falava numa sessão sobre os cenários pandémicos da gripe, durante a qual anunciou que a Direcção-Geral da Saúde realizou um levantamento dos trabalhadores que são considerados prioritários para o país.

Trata-se de profissionais de saúde, responsáveis que trabalham em sectores como o fornecimento de electricidade, água, gás ou alimentos e ainda outros como as forças de segurança, especificou Graça Freitas.

Estes portugueses constam de um esquema profilático prolongado que consiste na toma durante seis semanas do antiviral considerado mais eficaz para combater a gripe humana provocada pelo vírus H5N1 (oseltamivir).

Este medicamento ainda não está em Portugal, pois está incluído na reserva estratégica que assegurará a administração de oseltamivir a 25 por cento da população - mais os cem mil portugueses considerados prioritários - e que deverá chegar ao país no segundo semestre deste ano. Portugal tem actualmente uma reserva de 11 mil tratamentos completos de oseltamivir.

Tal como a maioria dos países, Portugal pode efectuar uma reserva para assegurar que se torne possível a aquisição da vacina assim que o vírus sofra uma mutação que permita a transmissão entre humanos e que seja descoberta a respectiva vacina.

Também de acordo com Graça Freitas, Portugal está ainda a avaliar propostas de empresas farmacêuticas que estão a investigar a vacina contra o H5N1.

Graça Freitas afirmou ainda que as recomendações técnicas apontam para a vacinação universal em Portugal, assegurando que todas as pessoas a viver em Portugal poderão ser vacinadas.

1 comentário:

  1. É assim: compreende-se que determinadas profissões sejam essenciais no caso de ser declarada uma epidemia ou pandemia em Portugal. Mas ao mesmo tempo dá a ideia que o resto dos portugueses não desempenham profissões suficientemente importantes para poder receber o tratamento. Enfim... Até podiam dar o tratamento a estas pessoas mas a notícia só poderá mesmo inflamar muita gente. E juntamente com o número de tratamentos que fazem parte da reserva pedido por Portugal (25% da população) também me parece pouco. A ver vamos...

    ResponderEliminar